Degeneração macular relacionada com a idade (DMI)

 

Degeneração macular relacionada com a idade

Definição

Existem dois tipos principais de degeneração macular relacionada com a  idade :

Seca. A forma "seca" de degeneração macular caracteriza-se pela presença de depósitos amarelos, chamados drusas, na mácula. Algumas drusas pequenas podem não causar alterações na visão, no entanto, à medida que elas crescem em tamanho e aumentam em número podem levar a um escurecimento ou distorção da visão mais perceptível quando as pessoas lêem. Em estadios mais avançados de degeneração macular seca, há também um adelgaçamento da camada de células sensíveis à luz na mácula que leva à atrofia ou morte de tecido. Na forma atrófica de degeneração macular seca, os pacientes podem ter pontos cegos na sua visão central. Nos estágios avançados podem perder a visão central.

Exsudativa. A forma exsudativa de degeneração macular é caracterizada pelo crescimento de vasos sanguíneos anormais a partir da coróide sob a mácula. Isso é chamado de neovascularização coróide. Estes vasos sanguíneos sangram e exsudam para a retina, causando distorção de visão, que faz com que as linhas retas pareçam onduladas, aparecimento de pontos cegos e perda de visão central. Estes vasos sanguíneos anormais e o seu sangramento eventualmente formam cicatriz, levando a perda permanente de visão central.

A maioria dos pacientes com degeneração macular tem a forma seca da doença e pode perder alguma forma de visão central. 

No entanto, a forma seca da degeneração macular pode levar à forma exsudativa. Embora isso ocorra em apenas cerca de 10% dos  casos, estas pessoas compõem a maioria daqueles que experimentam séria perda de visão decorrente da doença.

 

Fonte : WebMD

 

Orgão

A  zona do olho atingida pela DMI é a mácula, a área central da retina, e é afetada de forma diferente, de acordo com o tipo de DMI.

 

Sintomas

O principal sintoma inicial é a perda de nitidez na visão central, apesar de usar os óculos habituais. Nos estágios iniciais você pode notar que:

Precisa de luz mais clara para ler.

As palavras num livro ou jornal podem ficar desfocadas.

As cores aparecem menos brilhantes.

Tem dificuldade em reconhecer os rostos.

Um sintoma inicial específico a ter em atenção  é a distorção visual. Normalmente, as linhas retas aparecem onduladas ou tortuosas. Por exemplo, as linhas num pedaço de papel quadrado, as linhas entre azulejos numa casa de banho, ou o rebordo de qualquer outro objeto reto, etc.

Pode depois desenvolver-se um "ponto cego" no meio do seu campo visual. Este  tende a tornar -se maior ao longo do tempo à medida que mais bastonetes e cones degeneram na mácula.

As alucinações visuais são comuns em pessoas com perda visual grave de qualquer causa. As alucinações visuais (também chamadas de síndrome de Charles Bonnet) podem ocorrer se tiver DMI grave. As pessoas vêem imagens diferentes, de padrões simples a imagens mais detalhadas. A experiência pode ser perturbadora, mas é menos assustadora se estiver ciente de que pode acontecer na DMI. E mais importante, isso não significa que está desenvolvendo uma doença mental séria. Se você desenvolver alucinações visuais, elas geralmente melhoram em 18 meses, mas em algumas pessoas, duram anos.

Fonte : Patient 

 

Incidência e prevalência

A degeneração macular é a principal causa de perda de visão nos americanos mais velhos e, devido ao envelhecimento da população dos EUA, o número de pessoas afetadas pela DMI deverá aumentar significativamente nos próximos anos.

Em 2010, cerca de 2,07 milhões de americanos tiveram degeneração macular relacionada com a  idade avançada, e esse número deverá crescer para 5,44 milhões em 2050.

A DMI é mais comum entre a população branca mais velha, afetando mais de 14% dos americanos caucasianos de 80 ou mais anos. Entre os americanos com idade igual ou superior a 50 anos, a degeneração macular avançada afeta 2,1% desse grupo em geral, sendo os brancos afetados com mais frequência do que negros, hispânicos não brancos e outros grupos étnicos (2,5 por cento contra 0,9 por cento).

Fonte : All About Vision

 

Causas

Como o nome sugere, a degeneração macular relacionada com a  idade é mais comum em adultos mais velhos. Na verdade, é a principal causa de perda severa de visão em adultos com mais de 60 anos.

A degeneração macular pode ser hereditária, o que significa que pode ser transmitida de pais para filhos. Se alguém na sua família tiver a doença, você tem maior risco de desenvolver degeneração macular. Fale com o seu oftalmologista sobre o  seu risco individual.

Fumar, hipertensão arterial, colesterol elevado, obesidade, ter pele e olhos claros e sexo feminino também são fatores de risco para a degeneração macular.

Fonte : WebMD

 

Evolução

As pessoas raramente perdem toda a visão devido  à degeneração macular relacionada com a  idade. Podem ter uma visão central diminuída, mas ainda são capazes de realizar muitas atividades diárias normais.

A forma exsudativa de degeneração macular é a principal causa de perda de visão irreversível. Quando ambos os olhos são afetados, você pode sofrer uma diminuição significativa na sua qualidade de vida.

A forma seca da DMI é muito mais comum e tende a progredir mais devagar, permitindo que você mantenha a maior parte da sua visão.

Fonte : WebMD

 

Prevenção

Muitas organizações e investigadores independentes estão a realizar estudos para determinar se alterações na dieta podem reduzir o risco de uma pessoa desenvolver degeneração macular e a perda de visão associada.Alguns desses estudos revelam relações positivas entre boa nutrição e risco reduzido de DMI.

Por exemplo, alguns estudos sugeriram  que uma dieta rica em salmão e outros peixes de água gelada, que contêm grandes quantidades de ácidos gordos ómega-3, podem ajudar a prevenir  a DMI ou reduzir o risco da sua progressão.

Outros estudos mostraram que os suplementos que contêm luteína e zeaxantina aumentam a densidade de pigmentos na mácula que estão associados à proteção dos olhos da DMI.

Fonte : All About Vision

 

Diagnóstico

Se você desenvolver sintomas sugestivos de DMI, o seu médico ou o seu optometrista irá encaminhá-lo para um oftalmologista. Isso deve ser feito com urgência, especialmente se houver alguma sugestão de DMI exsudativo. O oftalmologista pode-lhe pedir para olhar para um papel especial com linhas horizontais e verticais para verificar os seus campos visuais. Se você achar que qualquer secção das linhas está ausente ou distorcida, a DMI é uma possível causa do problema visual. O oftalmologista fará um exame do fundo ocular com um microscópio de lâmpada de fenda.  Este é um equipamento de ampliação com o qual o oftalmologista examina a sua retina através do que parecem binóculos. Podem ser tiradas fotografias digitais da retina. O oftalmologista procurará alterações típicas da DMI seca e exsudativa.

Outro teste chamado tomografia óptica de coerência é cada vez mais usado. Este é um teste não-invasivo que se baseia na emissão de luz, e que permite observar as diferentes camadas da retina. Pode fornecer informações “3D" muito detalhadas sobre a mácula e mostrar se houve ou não espessamento desta. Este teste é útil quando há dúvidas sobre se a DMI se encontra na forma seca ou exsudativa. Também é um teste útil para avaliar e monitorizar os resultados de qualquer tratamento.

Se houver suspeita de DMI exsudativa ou se esta  for diagnosticada, um novo teste chamado Angiografia Fluoresceínica  pode ser feito. Para este teste, um produto de contraste (fluoresceína) é injetado numa veia no seu braço. Depois, usando um aparelho específico (angiógrafo) que não é mais do que uma câmara  fotográfica especial, o oftalmologista pode ver as características do fluxo sanguíneo nos vasos da retina e coróideia, já que só os vasos sanguíneos normais são impermeáveis à fluoresceína. Este teste pode dar uma indicação da extensão e gravidade da doença.

Fonte : Patient

 

Tratamento

Fase inicial DMI

Atualmente, não existe tratamento para o início da DMI, nesta fase muitas pessoas não  apresentam sintomas ou perda de visão. O seu oftalmologista pode recomendar um exame do fundo ocular pelo menos uma vez por ano. O exame ajudará a determinar se sua condição está avançando.

Quanto à prevenção, a DMI ocorre com menos frequência em pessoas que praticam exercício físico, evitam fumar e comem alimentos nutritivos, incluindo vegetais de folhas verdes e peixe. Se você já tem DMI, a adopção de alguns desses hábitos pode ajudá-lo a manter sua visão mais tempo.

Fases intermédia e avançada da DMI

Investigadores  do National Eye Institut (NEI) testaram se a toma de suplementos nutricionais, poderia proteger contra DMI, nos Estudos Relacionados com a Doença Relacionada à Idade (AREDS e AREDS2). Eles descobriram que a ingestão diária de altas doses de certas vitaminas e minerais pode retardar a progressão da doença em pessoas que possuem DMI intermédia e aqueles que apresentam DMI tardia num olho.

O primeiro ensaio do AREDS mostrou que uma combinação de vitamina C, vitamina E, beta-caroteno, zinco e cobre pode reduzir o risco de DMI tardia em 25%. O ensaio AREDS2 testou se esta formulação poderia ser melhorada pela adição de luteína, zeaxantina ou ácidos gordos ómega-3. Os ácidos gordos ómega-3 são nutrientes abundantes nos óleos de peixe. Luteína, zeaxantina e beta-caroteno pertencem à mesma família de vitaminas e são abundantes em vegetais de folhas verdes.

O ensaio AREDS2 descobriu que a adição de luteína e zeaxantina ou ácidos gordos ómega-3 à formulação AREDS original (com beta-caroteno), não teve efeito geral sobre o risco de DMI tardia. No entanto, o teste também descobriu que a substituição do beta-caroteno por uma mistura de luteína e zeaxantina de 5 para 1 pode ajudar a reduzir ainda mais o risco de DMI tardia. Além disso, enquanto o beta-caroteno tem sido associado a um risco aumentado de cancro de pulmão em fumadores atuais e antigos, a luteína e a zeaxantina parecem ser seguras, independentemente do estado de tabagismo.

Aqui estão as doses clinicamente eficazes testadas em AREDS e AREDS2:

500 miligramas (mg) de vitamina C

400 unidades internacionais de vitamina E

80 mg de zinco sob a forma de óxido de zinco (25 mg em AREDS2)

2 mg de cobre como óxido cúprico

15 mg de beta-caroteno ou 10 mg de luteína e 2 mg de zeaxantina

Alguns fabricantes oferecem suplementos nutricionais que foram formulados com base nesses estudos. O rótulo pode-se referir a "AREDS" ou "AREDS2".

Se você tiver DMI intermédia ou tardia, pode beneficiar da toma desses suplementos. Mas primeiro, certifique-se de ler e comparar os rótulos. Muitos dos suplementos têm ingredientes ou doses diferentes daqueles testados nos ensaios AREDS. Além disso, consulte o seu oftalmologista sobre qual o suplemento, se houver, ideal para si. Por exemplo, se você fuma regularmente ou já fumou, o seu médico pode recomendar que você evite suplementos contendo beta-caroteno.

Mesmo se tomar um multivitamínico diário, você deve considerar tomar um suplemento AREDS se estiver em risco de DMI tardia. As formulações testadas nos ensaios AREDS contêm doses muito maiores de vitaminas e minerais do que o que se encontra em multivitamínicos. Informe o seu médico sobre todos os multivitamínicos que está a tomar quando estiver a discutir possíveis formulações AREDS.

Você pode ver alegações de que a sua genética (genótipo) pode influenciar a forma como responderá aos suplementos AREDS. Alguns estudos recentes alegaram que, dependendo do genótipo, alguns pacientes beneficiarão dos suplementos AREDS e outros podem ser prejudicados. Essas alegações são baseadas numa parte dos dados da pesquisa AREDS. Investigadores do NEI fizeram análises abrangentes dos dados  completos do AREDS. Os resultados  até ao momento indicam que os suplementos AREDS são benéficos para pacientes de todos os genótipos testados. Based on the overall data, the American Academy of Ophthalmology (link is external) does not support the use of genetic testing to guide treatment for AMD.Com base nos dados gerais, a Academia Americana de Oftalmologia (link is external) não apoia o uso de testes genéticos para orientar o tratamento para DMI.

Finalmente, lembre-se de que a formulação AREDS não é uma cura. Não ajuda as pessoas com DMI precoce e não irá restaurar a visão já perdida decorrente da DMI. Mas pode atrasar o início da DMI tardia. Também pode ajudar a abrandar a perda de visão em pessoas que já possuem DMI tardia.

DMI avançada neovascular

A DMI neovascular geralmente resulta em perda severa de visão. No entanto, o oftalmologista pode tentar diferentes terapias para impedir uma maior perda de visão. Você deve-se lembrar que as terapias abaixo descritas não são uma cura. A doença pode progredir mesmo com o tratamento.

Injeções. Uma opção para retardar a progressão da DMI neovascular é injetar fármacos no olho. Na DMI neovascular, são segregados no olho, níveis anormalmente elevados de factor de crescimento endotelial vascular (VEGF). O VEGF é uma proteína que promove o crescimento de novos vasos sanguíneos anormais. A terapia de injeção anti-VEGF bloqueia esse crescimento. Ao fazer este tratamento, podem ser precisas várias injeções mensais. Antes de cada injeção o olho será anestesiado e limpo com anti-sépticos. Para reduzir o risco de infecção são prescritas gotas com antibiótico. Estão disponíveis diferentes fármacos anti-VEGF. Eles diferem no custo e na frequência da injecção, pode discutir a melhor opção com o seu médico.

Terapia fotodinâmica. Esta técnica envolve o tratamento a laser de áreas selecionadas da retina. Primeiro, é injetado no seu braço um fármaco chamado verteporfin. O fármaco viaja através dos vasos sanguíneos pelo seu corpo e é absorvido por novos e crescentes vasos sanguíneos. O seu oftalmologista direciona então um feixe de laser para o olho, e ativa o fármaco nos novos vasos sanguíneos anormais, poupando os normais. Uma vez ativado, o medicamento bloqueia os novos vasos sanguíneos, diminui o crescimento e diminui a taxa de perda de visão. Este procedimento é menos comum do que as injeções anti-VEGF e é frequentemente usado em combinação com estas para tipos específicos de DMI neovascular.

Cirurgia a laser. Os oftalmologistas tratam certos casos de DMI neovascular com cirurgia a laser, embora este seja menos comum do que outros tratamentos. Este consiste em apontar um laser intenso "quente" (argon) para os vasos sanguíneos anormais do olho para destruí-los. Este laser não é o mesmo usado na terapia fotodinâmica que pode ser denominado como laser “frio". Este tratamento é mais usado quando o crescimento dos vasos sanguíneos é limitado a uma área compacta no olho, longe do centro da mácula, que pode ser facilmente atingida com precisão pelo laser. Mesmo assim, o tratamento a laser pode destruir alguns tecidos saudáveis circundantes. Isso muitas vezes resulta num pequeno ponto cego onde o laser marcou a retina. Em alguns casos, a visão imediatamente após a cirurgia pode ser pior do que era antes. Mas esta cirurgia também pode ajudar a evitar que  mais tarde ocorra uma perda de visão mais grave.

 

Fonte : NEI

 

Imagens

  Normal vision

Eye disease simulation, normal vision

Fonte : By National Eye Institute, National Institutes of Health [Public domain], via Wikimedia Commons

 

The same view with age-related macular degeneration

Eye disease simulation, age-related macular degeneration

Fonte : By National Eye Institute, National Institutes of Health [Public domain], via Wikimedia Commons

 

Procurar Pro Visu