Neuropatia óptica isquémica (NOI)

 

Neuropatia óptica isquémica (NOI)

Note por favor que os links das fontes de referência são em Inglês

Definição

Neuropatia óptica isquémica (NOI) corresponde a uma perda súbita de visão central, visão lateral ou ambos devido a uma diminuição  ou uma suspensão do fluxo sanguíneo para o nervo óptico do olho. 

Para ver, o nervo óptico conduz impulsos do olho para o cérebro, onde são interpretados como imagens. O nervo óptico é constituído por um milhão de fibras nervosas minúsculas e delicadas que são como fios. Muitos vasos sanguíneos nutrem o nervo óptico com sangue rico em oxigênio e nutrientes. Sem um nervo óptico saudável e funcional, a visão não seria possível.

Existem dois tipos de neuropatia óptica isquémica, dependendo da parte do nervo óptico envolvido:

Neuropatia óptica isquémica anterior (NOIA): NOIA ocorre quando o fluxo sanguíneo é interrompido para a parte da frente (anterior) do nervo óptico (também chamado de cabeça do nervo óptico).

Neuropatia óptica isquémica posterior (NOIP): NOIP é muito menos comum e é resultado da isquemia da parte de trás (posterior) do nervo óptico, localizado a alguma distância atrás do globo ocular.

A maioria dos casos de neuropatia óptica isquémica são do tipo NOIA.

 

Fonte : AAO 

 

Orgão


 

 

Sintomas

Com NOIA arterítica, a maioria das pessoas tem arterite de células gigantes (ACG). Esta condição pode causar sintomas antes da perda de visão, como fadiga geral, febre, dor nas têmporas, dor no pescoço, dor ao mastigar e dor no couro cabeludo. Um sintoma visual chave com NOIA arterítica é a desfocagem ou perda de visão temporária antes da perda permanente de visão.

Com a neuropatia óptica isquémica anterior não aterítica (NOIANA) — a forma mais comum de NOI — os sintomas são geralmente súbitos, perda de visão indolor num dos olhos, com a sua visão a parecer turva ou embaçada. Normalmente estes sintomas são notados quando você acorda.

Fonte : AAO 

 

Frequência

Estados Unidos

Doentes com ambas as formas arteríticas e não arteríticas de neuropatia óptica isquémica anterior (NOIA) têm geralmente mais do que 50 anos, sendo que as mulheres predominam no grupo arterítico. A incidência de neuropatia óptica isquémica anterior não arterítica (NOIANA) é 2,3-10,3 por cada 100 000 habitantes nos Estados Unidos, e para o tipo arterítico é 0,36 por cada 100 000. No grupo arterítico, a incidência aumenta quase exponencialmente com o avançar da idade. A literatura parece apoiar a ideia de que os caucasianos são mais afetados do que os negros no grupo não arterítico e as pessoas de origem Escandinava ou Europeia são o grupo étnico mais commumente afetado no tipo arterítico.

 

Internacional

No grupo não arterítico, a incidência é maior nos caucasianos e incomum noutras raças. Os países com maior incidência de NOIA arterítica são os países escandinavos (Noruega, Dinamarca, Suécia), seguidos pela Alemanha. A forma arterítica não é tão reconhecida em não-brancos. No futuro, evidências genéticas podem ajudar a explicar esta incidência.

 

Raça

A neuropatia óptica isquémica anterior não-arterítica (NOIANA) é mais comum em caucasianos (95%); é menos comum em negros (2%), Asiáticos (3%) e Hispânicos (1%). A forma arterítica da doença é predominantemente descrita entre caucasianos de descendência europeia, particularmente Escandinavos e Alemães.

Um ideia errada passada era que pacientes negros não morriam com à ACG. No entanto, numerosos casos documentados de ACG em negros estão descritos; ACG em pacientes negros não é incomum.

 

Género

As mulheres dominam a incidência em ambas as formas de NOIA, mas apenas ligeiramente na forma não arterítica (1,2:1) em comparação com o tipo arterítico (2:1).

 

Idade

Ambas as doenças são encontrados em grupos etários mais velhos. No grupo não arterítico, a idade varia entre entre os 40 anos tardios e os mais velhos. O grupo arterítico quase sempre tem mais de 50 anos, com um aumento exponencial com a idade avançada (90% dos pacientes têm mais de 60 anos). Casos esporádicos de NOIA podem ocorrem antes de 40 anos, e a diferenciação de neurite óptica associada a doença desmielinizante é importante neste intervalo etário.

 

Fonte : Emedicine 

 

Causas

A NOINA é causada por uma diminuição repentina da circulação de sangue nas artérias que nutrem o nervo óptico. Isto pode ser devido a uma diminuição temporária da pressão arterial, causada por uma variedade de diferentes fatores. Geralmente, a NOIANA tem um impacto menor no dano visual do que a forma arterítica (NOIAA).

Algumas das doenças e condições comuns que podem colocar um paciente em maior risco para a NOIAA são:

  • Diabetes mellitus;
  • Artrite reumatóide;
  • Herpes zoster;
  • Anemia;
  • Doença de células falciformes;
  • Sífilis;
  • Pressão arterial sistémica baixa ou pressão arterial alta severa
  • Úlceras gastro-intestinais;
  • Algumas doenças cardíacas;
  • Vasculites;
  • Enxaqueca;
  • Personalidade tipo A. 

Fonte : AAO

 

Evolução

A visão perdida em contexto de atrofia do nervo óptico não pode ser recuperada. É muito importante proteger o outro olho.

Fonte : Medline Plus 

 

Prevenção

Muitas causas de atrofia do nervo óptico não podem ser prevenidas.

As medidas de prevenção incluem:

  • Os adultos mais velhos devem ter a sua pressão arterial monitorizada cuidadosamente pelo seu médico.
  • Use precauções de segurança padrão para evitar lesões no rosto. A maioria das lesões faciais são o resultado de acidentes de carro. Usar cintos de segurança pode ajudar a prevenir essas lesões.
  • Programe um exame anual de rotina para verificar a possibilidade de glaucoma.
  • Nunca beba bebidas com álcool caseiras ou formulações com álcool que não se destinem a beber. O metanol, que é encontrado em álcool caseiro, pode causar atrofia do nervo óptico em ambos os olhos.

Fonte : Medline Plus  

 

Diagnóstico

Se você experienciar uma perda súbita de visão, é importante que procure atendimento médico imediato. O seu oftalmologista realizará um exame detalhado aos seus olhos para determinar se os seus sintomas estão relacionados com a neuropatia óptica isquémica, e em caso afirmativo, que forma de NOI está presente. O seu oftalmologista verificará a sua acuidade visual e irá medir a sua pressão ocular, além de usar gotas oculares de forma dilatar a sua pupila e a poder realizar um exame ocular para procurar sinais de danos no nervo óptico.

Se o seu oftalmologista suspeita de NOIA arterítica — a forma mais perigosa de NOIA — ele ou ela pode usar um teste de diagnóstico chamado angiografia fuoresceínica, no qual um corante é injetado e uma série de fotografias rápidas são tiradas, para ajudar a confirmar o bloqueio do fluxo sanguíneo para o nervo óptico.

O seu oftalmologista também pode pedir testes adicionais para descartar a arterite de células gigantes (ACG), que frequentemente está associada à NOIA arterítica, incluindo análises sanguíneas e biópsia de artérias na área das têmporas da cabeça.

Fonte : AAO

 

 

Tratamento

Neste momento, não existe um tratamento eficaz comprovado para a neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica (NOIANA). Por vezes os corticosteróides podem ser administrados para ajudar a reduzir a inflamação associada à condição, mas a eficácia desta opção de tratamento ainda não é conclusiva.

O tratamento das causas subjacentes de doenças cardiovasculares, que são um fator de risco para a NOIANA, pode ajudar a controlar o NOIANA e prevenir a perda de visão adicional.

Para a NOIA arterítica — a forma mais perigosa de NOI - corticosteróides são administrados para proteger o olho não afetado.

Para qualquer pessoa com perda de visão por neuropatia óptica isquémica, ajudas e estratégias de visão reduzida podem ser úteis.

Fonte : AAO 

 

 

Procurar Pro Visu